Estudos apontam que falta de água pode tornar o mundo vegetariano

De acordo com dados da ONU, seria preciso aumentar a produção de alimentos em 70% para atender a demanda em 2050, no entanto não há água para isso

13 de fevereiro de 2015
publicado por
Redação

Depositphotos Para apenas 1kg de carne bovina são necessários mais de 15.000 litros de água.

A crise hídrica que vem assombrando algumas regiões do Brasil não é novidade para outras cidades do mundo, como Califórnia, Barcelona, entre outras. O problema, na verdade, é tão grave que estima-se que metade da população mundial enfrentará falta de água crônica se os atuais hábitos de consumo alimentar continuarem como estão.

A previsão é de Malin Falkenmark, conselheiro científico sênior do Stockholm International Water Institute (SIWI), em um texto para o relatório Food Security: Overcoming Water Scarcity Realities.

O problema se tornou maior depois que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura revelou, por meio de estudos, que será necessário aumentar a produção de alimentos em 70% nos próximos 40 anos para atender à demanda no planeta.

Segundo Falkenmark, não há água suficiente à disposição para abastecer as demandas atuais de terras agrícolas e haverá muito menos para produzir alimentos para a população esperada pela ONU em 2050.

Isso porque, de acordo com dados e pesquisas, a pegada hídrica de carne de bovinos de corte é muito alta – para apenas 1kg de carne bovina são necessários mais de 15.000 litros de água. Para os ovinos são necessários 10.400 litros, suínos 6.000 litros, caprinos 5.500 e frangos 4.300 litros.

Dessa forma, para mitigar os impactos, o ideal é apostar em dietas nas quais a maior parte da composição alimentar sejam proteínas provenientes de origem vegetal e não animal, como ocorre atualmente. Estima-se que a dieta mais sustentável, ou vegetariana, consuma de cinco a dez vezes menos água que a comum.

Vegetarianismo faz bem para a saúde

Muito comum em diversas partes do mundo, o vegetarianismo ainda sofre preconceitos por parte de médicos e acadêmicos. No entanto, diversos estudos já apontam que esse tipo de dieta vai muito além dos direitos dos animais.

Esse regime alimentar, baseado em alimentos de origem vegetal, faz bem para a saúde, já que elimina e previne contra diversas doenças relacionadas ao câncer e o coração.