Onde está sua empresa?

8 de maio de 2017
publicado por
Leonardo Lorentz

© Depositphotos.com / ryanking999 Em estágio avançado ou ainda engatinhando, existem empresas realmente preocupadas com o futuro do planeta.

Há dois anos publicamos um post que obteve ótima repercussão em nossas mídias sociais. Inspirados numa imagem do WWF (abaixo), apresentamos uma escala corporativa de sustentabilidade e responsabilidade social.

No topo, as empresas de impacto positivo, aquelas cujos negócios ajudam outras corporações a fazer sua parte. Além da Carbono Zero Courier, da qual sou gestor, que oferece entregas em bicicletas e veículos elétricos para substituir os poluidores motoboys, podemos citar a YouGreen, que coleta e destina o descarte das empresas, transformando o conceito de lixo; a Repassa, que funciona como um brechó virtual, dando uma nova vida a roupas e acessórios que estavam encostados em algum armário; a Positiv.a, que produz artigos de limpeza concebidos da matéria-prima à distribuição, para serem eficientes e ecológicos, e muitas outras.

Divulgação / Escala corporativa de sustentabilidade e responsabilidade social

Em um nível inferior, vinham as empresas que conseguem zerar o impacto negativo de suas ações, via consumo consciente e ações compensatórias. Nesse grupo “deveriam” estar todas as demais. Não se espera que todos os negócios tenham a sustentabilidade como propósito, que criem soluções para outros, mas é justo pedir que tenha a sustentabilidade como princípio, como meio para atingir seus objetivos, sejam eles quais forem. De forma simples, seria aplicar os mesmos conceitos que estampam aqueles cartazes nos cantinhos do café: sujou, limpe; bagunçou, arrume; usou, reponha.

No degrau abaixo, apareciam as que descobriram ou começaram a agir tardiamente, mas que já estão se mexendo e vêm obtendo resultados e diminuindo sua pegada ecológica.

Por último, o grupo que sofria de cegueira corporativa. Existem aí tanto empresas que não compreendem causas/efeitos de suas ações (desinformadas) quanto aquelas que sabem dos impactos negativos causados por seus processos, mas preferem fingir que não sabem, optando pelo lucro fácil, pela abordagem inconsequente, egoísta e de curto prazo (desonestas). É como aquele sujeito que vai ao happy hour, bebe e come, mas na hora de pagar a conta, dá um jeito de escapulir para o banheiro.

Como os efeitos danosos do aumento constante das concentrações urbanas tendem a piorar (poluição  doenças respiratórias; congestionamentos  desperdício de tempo; falta de espaço  redução de áreas verdes), pergunta-se do que mais os gestores precisam para repensar e mudar suas empresas: legislação mais dura? Boicote de clientes? Sansões de fornecedores? Ou será que basta um retrato dos filhos sobre a mesa de trabalho, para nos lembrar nas horas que fizemos nossas escolhas corporativas de que precisamos deixar para eles um mundo melhor do que aquele que recebemos?